Retrospectiva de 2021

Fazer parte do mercado de geração solar no Brasil hoje é um privilégio. O Brasil fechou 2021 com um mais de 13 GW operacionais – o que quase equivale a quase uma Itapu em termos de potência. Só de geração centralizada, foram 4,6 GW, 50% a mais do que em 2020. É uma contribuição de 2,4% à matriz elétrica brasileira e investimentos privados da ordem de R$ 66,3 bilhões. Estamos falando de um setor em rápida expansão que contribui para diminuir a emissão de CO2 na atmosfera, e gera centenas de milhares de empregos de qualidade em todo o país, trazendo vitalidade à economia regional. Com estes números, já ultrapassa a potência gerada por termoelétricas à carvão mineral, mais caras e poluentes.

A Nextracker tem participação significativa neste mercado, fornecendo os sistemas de rastreadores solares de última geração em 14 projetos que somam uma potência próxima a 4 GW (incluindo plantas em operação e em construção). Esse valor expressivo tem contribuído para que o Brasil caminhe, rapidamente, para se tornar o nosso segundo mercado no mundo. Só no ano passado, assinamos a fase 1 de Janaúba, em Minas Gerais, para a Elera Renováveis, em uma parceria com a Andrade Gutierrez, com potência instalada de de 830 MWp. Desde o início da obra, nossa equipe de campo esteve apoiando sua construção com serviços de treinamento, supervisão da instalação e comissionamento. Confira este vídeo impressionante do nosso programa de treinamento de instalação no Brasil chamado PowerworX Academy, aqui.

Outro marco de 2021 que merece menção é o projeto que estamos fornecendo para a Vale, para o projeto Sol do Cerrado, em Jaiba, também em Minas Gerais. Lá, são 766 MWp de potência instalada que contribuirão com 13% das necessidades totais de energia do grupo de mineração no Brasil e a ajudarão a alcançar a sua meta corporativa de neutralizar a sua pegada de carbono até 2050.

Também nos dá muita satisfação lembrar que uma brasileira – Vanessa Queiroz – foi beneficiada com o projeto global de bolsas de estudos da Nextracker chamado “Half the Sun”, para cursar especialização em energia solar, a ser fornecido pela Solar Energy Internacional (SEI), entidade internacional de treinamento técnico no setor localizada nos Estados Unidos. O projeto inclui, ainda, a sua participação na rede global profissional de mulheres da Nextracker.

Esta bolsa é destinada a mulheres que têm formação acadêmica formal em ciência, tecnologia, engenharia e matemática – e que estão interessadas em criar caminhos de carreira para a indústria solar. Com formação em engenharia elétrica e estudos de pós-graduação em eficiência energética, estamos entusiasmados em apoiar Vanessa em sua jornada.

Desde que iniciamos nossas atividades no Brasil em 2015, a Nextracker desenvolveu cada vez mais sua presença no país. Com sede em Sorocaba, nossos rastreadores estão instalados desde o Ceará até São Paulo, entregando uma produção entre 20% a 35% maior em relação à produção obtida em painéis em estruturas fixas. Da mesma forma, nossos projetos podem ser financiados pelo BNDES através do Fundo de Financiamento para Aquisição de Máquinas e Equipamentos Industriais (FINAME), já que nossos equipamentos têm um índice de nacionalização superior a 50%. Como líder comprovado em rastreadores solares no Brasil, estamos agregando valor adicional para operações de usinas de energia solar, usando ferramentos inteligentes de software, e serviços de gerenciamento de ativos. Assista a este vídeo para saber mais sobre esses serviços.

Mas, vamos falar dos próximos passos. 2022 já começou em ritmo acelerado. Acreditamos que este ano será marcado por um crescimento da Nextracker no Brasil ainda maior que o observado no ano passado. E, em função da importância que o País representa para a Nextracker, planejamos lançar um centro de excelência em Sorocaba (SP) para desenvolver ainda mais a nossa tecnologia em geração solar em sintonia com os desafios locais.